OS ELEMENTOS DA KULTURA HIPHOP

Wednesday, April 16, 2008

Temple Of HipHop - Refinições

Acerca das RefiniçõesPaz e muito amor!!Saibam que: As Refinições são a recolha dos códigos e termos culturais do Hiphop feita pelo Templo do Hiphop e foram criadas para proteger, preservar e estabelecer o espírito comum do Hiphop. As Refinições são ainda as informações standart para se ser membro do Templo do Hiphop. Para se ser membro oficial do Templo do Hiphop, tem de se estar familiarizado com os termos e conceitos das Refinições.Aqueles que estudam e pactuam com as Refinições são chamados verdadeiros Hiphoppas, porque é a aplicação das Refinições que estabelece a longevidade e a unidade cultual do Hiphop. Não se contentem com a ignorância! Não se podem considerar membros oficiais do Templo e ao mesmo tempo não conhecerem os ensinamentos do Templo do Hiphop. Antes das Refinições a comunidade Hiphop existia num estado de desorganização cultural. Através do estudo das Refinições, o verdadeiro Hiphoppa participa activamente na preservação da Kultura Hiphop.O Hiphop é definido frequentemente pela discussão dos aspectos das suas expressões. Basta perguntarem a qualquer Hiphoppa o que é o Hiphop e o mais conhecedor responder-vos-á que consiste na conjugação de Breakdance, Mcing, Graffiti e Djing. Alguns talvez cheguem a incluir o Beatbox. No entanto, essas definições explicam apenas aquilo que o Hiphop faz, não aquilo que o Hiphop é. O Templo do Hiphop ensina que os elementos do Hiphop são executados, enquanto o Hiphop em si mesmo é vivido. O Hiphop é uma realização!Antes de explicarmos o que o Hiphop é, deve ficar explícito que as Refinições não reclamam exclusividade sobre o Hiphop. Tendo em conta a diversidade de ideias acerca do que o Hiphop é e não é, o Templo do Hiphop está confiante nos resultados positivos da sua perspectiva única no Hiphop.Apesar das Refinições serem verdadeiros termos e códigos do Hiphop, estas noções são antes de mais uma ferramenta de ensino do Templo do Hiphop. Foram criadas para apresentar ao verdadeiro Hiphoppa uma visão organizada do Hiphop ao mesmo tempo que estabelece sua a unidade cultural.Outras organizações dentro do Hiphop podem usar diferentes abordagens dos elementos e termos do Hiphop. No entanto, as Refinições continuam a ser o pilar dos ensinamentos e a ferramenta de orientação dos membros do Temple of Hiphop. Vejamos então a mais completa lista de expressões tradicionais do Hiphop, conforme são ensinadas pelo Temple of Hiphop.BREAKDANCEO estudo e aplicação das formas de dança de rua.Habitualmente chamado Breaking ou B-boying, inclui agora estilos de dança antes independentes, como o up-rockin, poppin e lockin, jailhouse ou slap boxin, Double Dutch, Electric Boogie e Capoeira. Também por vezes referido como freestyle street dancing. Os praticantes do Breakdance tradicional são chamados B-boys, B-Girls e Breakers.Os movimentos do Breakdance são frequentemente usados em aeróbica e outros exercícios que desenvolvem o corpo. Break-dancing – estilo acrobático de dança de rua.Popularizado por: James Brown, the Nigga Twins, Dennis Vasquez – the Rubber Band Man, Rock Steady Crew, Pee Wee Dance, The N.Y.C. Breakers, the Breeze Team, Michael Jackson, e outros.EMCEEINO estudo e aplicação de rap, poesia e discurso divinoHabitualmente denominado Rap ou rapping. Os seus praticantes são conhecidos como MCs, Emcees ou Rappers. O Emcee é um poeta Hiphop que dirige e movimenta o público através do rimar ritmado e da spoken word.A palavra Emcee vem da abreviatura de Mestre de Cerimónias (M.C.). No seu sentido tradicional, (M.C.) refere-se ao anfitrião de um evento – o mestre de uma cerimónia ou evento. Os primeiros Hiphoppas transformaram o perfil tradicional do M.C. de forma a incluir práticas de interacção com o público e poesia.Hoje em dia, o Emcee procura ser um mestre da spoken word e não apenas o melhor rapper. Os Emcees também partilham conhecimento e levam a cabo outras formas de instrução pública. A maioria dos Emcees qualifica-se pela sua capacidade de animar a festa, falar com clareza e contar uma boa história.Popularizado por: Cab Calloway, Coke La Rock, Busy Bee Starsky, Cowboy, Melle Mel, Grandmaster Caz, Kool Moe Dee, Rakim, Big Daddy Kane, Muhammad Ali, e outros.GRAFFITIO estudo e aplicação da cor, luz e escrita manual.Habitualmente denominado Arte do Aerosol, Arte da vida, Pieces, Burners, Graf, e murais urbanos. Outras formas desta arte incluem o Bombin e o Taggin. Os seus praticantes são conhecidos por Writers, Graffiti writers, Graffitist, artistas de Graffiti e Graffiters.Hoje em dia, os artistas de graffiti procuram ser mestres do handwriting e da arte. Os artistas de graffiti qualificam-se consoante a sua capacidade para escrever e/ou desenhar uma boa história. Muitos tornam-se artistas gráficos, designers de moda, fotógrafos, e directores de fotografia em movimento (motion picture). Graffiti – escrita ou desenho esboçado colocado numa superfície com spray.Popularizado por: Taki 183, Phase 2, Kase 2, Cope 2, Tat’s Cru, Presweet, Iz the Wiz, Seen, Quik, O.E., Revolt, Dondi, Zephyr, Futura 2000, e outros.DEEJAYINO estudo e aplicação da produção de música rap e radiodifusão.Geralmente refere-se ao trabalho do disc jokey. No entanto, o disc jokey do Hiphop não se limita a tocar vinis, cassetes e cds.O Deejay do Hiphop interage artisticamente com a performance de uma música gravada cortando, mixando e fazendo scratch na música, em todos os formatos de gravação. Os seus praticantes são conhecidos por turtablists, deejays, mixologists, grandmasters, mixmasters, jammasters e funkmasters. Disc Jokey - aprensentador de música pop gravada.Popularizado por: Kool DJ Herc, Afrika Bambaataa, Jazzy Jay, Grand Master Flash, Grand Wizard Theodore, Kool DJ Red Alert, DJ Cash Money, Marley Marl, Brucie B, Chuck Chillout, Kid Capri, Afrika Islam, Jam Master Jay, e outros.BEATBOXO estudo e aplicação de música corporalRefere-se habitualmente ao acto de criar sons ritmados com várias partes do corpo, em particular a garganta, a boca e as mãos. Os seus praticantes são conhecidos como beatboxes humanas, orquestras humanas ou simplesmente beatboxers.Filosoficamente, o Beatbox é a utilização do corpo enquanto instrumento. Versões anteriores desta expressão incluíam Handbone ou Hambone. Porém, o Beatbox moderno surge da imitação das antigas drum machines electrónicas. As antigas drum machines electrónicas faziam parte das beat boxes originais e imitá-las na perfeição chamava-se beatboxing.Popularizado por: Doug E. Fresh, Biz Markie, The Fat Boyz, DMX, Greg Nice, Bobby McFerrin, Emanon, Click the Super Latin, K-Love, Razell, e outros.STREET FASHIONO estudo e a aplicação das tendências e estilos de rua.A Street Fashion lida com todas as tendências e estilos da Kultura Hiphop.Refere-se habitualmente às tendências no vestuário dos subúrbios. No entanto, a Street Fashion engloba todas as tendências e estilos da Kultura Hiphop – o que é que está em voga – independentemente da vertente. Os seus praticantes são conhecidos como Hiphoppas.A auto-expressão através da Street Fashion é uma forma importante de apresentar a identidade e a ideologia do Hiphop à sociedade. A Street Fashion representa também a proeminência dos costumes, formas e códigos culturais do Hiphop.Popularizado por: Ron 125, Dapper Dan, Lugz, FUBU, Karl Kani, Sean Jean, Wu Wear, Fat Joe 560, e outros.STREET LANGUAGE – LINGUAGEM DE RUAO estudo e aplicação da comunicação de rua.A linguagem e os códigos linguísticos do Hiphop – a comunicação verbal das ruas.Habitualmente denominado Black English, Urban Slang e Ebonics (NT: no caso particular de Portugal, seriam os equivalentes de ‘calão’, ‘pretoguês’, etc.). São a linguagem e os códigos linguísticos do Hiphop – a comunicação verbal das ruas.A linguagem de rua avançada inclui a pronuncia correcta da língua materna ou oficial do país habitado por cada um, uma vez que são parte essencial do estilo de vida urbano. A linguagem de rua avançada consiste ainda na comunicação para além do que é dito. A linguagem de rua não passa só pela verbalização. A linguagem de rua do Hiphop inclui certos códigos de rua que nem sequer necessitam de comunicação verbal. Os seus praticantes são conhecidos por Hiphoppas.Popularizado por: Richard Pryor, Martin Laurence, the Last Poets, Chris Rock, The Watts Poets. James Brown, Gil Scott Heron,
Nas, KRSONE, Fab 5 Freddy, e outros.STREET KNOWLEDGE – CONHECIMENTO DE RUAO estudo e a aplicação de sabedoria ancestral.A auto-consciência cultural do Hiphop.Refere-se habitualmente ao senso comum básico e à sabedoria acumulada das famílias suburbanas. Consiste nas técnicas, frases, códigos e termos utilizados nos subúrbios. Envolve a capacidade de utilização determinada da razão, com ou sem as ideias ou a validação do saber académico. É a auto-consciência cultural do Hiphop.Os seus praticantes são conhecidos por Sister (Irmã), Brother (Irmão), Goddess (Deusa), God (Deus), Earth (Terra), Mother (Mãe), Father (Pai), Teacha (Prof), Queen (Rainha), King (Rei), Princess (Princesa), Prince (Príncipe), Lord (Lorde) e Divine (Divino/a).Ao contrariamente ao mito de que o conhecimento só se acumula em ambientes sossegados, ordenados e académicos, a maior parte do conhecimento comum do Hiphop pode-se encontrar nos seus comediantes, poetas e autores. Os Hiphoppas aprendem e transmitem conhecimento através do riso e da diversão. Streetwise – saber sobreviver à vida urbana moderna.Popularizado por: Malcom X, Dr. Cornell West, Martin Lawrence, The Tree of Life Book Store, Revolution Books, The Shrine of the Black Madonna, Dr. York, Afrika Bambaataa, Clarence 13X, Minister (Ministro) Louis Farrakhan, Kwame Toure, KRSONE, Chuck-D, Nas, Dick Gregory, Chris Rock, Tupac Shakur, Keenon Ivory Wayans, Nelson George, Michael Eric Dyson, Sista Souljah, e outros.STREET ENTREPRENUERIALISMO estudo e aplicação do comércio justo e da gestão de negócios no HiphopA prontidão para o envolvimento na criação expontânea de negócios que surgem do zero e se desenvolvem segundo princípios de autonomia.Refere-se habitualmente ao comércio de rua, ao “having game”, “the natural salesmen”, ou o diplomata subtil que cria oportunidades de negócio. (NT: no caso particular de Portugal, seria o que consideramos o “mercado negro”, “mercado independente”, “auto emprego”, etc). É a prontidão para o envolvimento na criação expontânea de negócios que surgem do zero e se desenvolvem segundo princípios de autonomia. Muita da aprendizagem cultural do Hiphop está aqui incluida.Diferente de “entrepeneur-ism”, que pode incluir as técnicas e práticas do empresário, o “entrepeneurial-ism” foca-se no espírito motivador para o auto-emprego, inovação, criatividade e o ser-se autodidacta. É este o espírito encorajado pelo Templo do Hiphop. Os seus praticantes são conhecidos por “hustlers” e “self-starters”. “Entrepeneur” (empresário) – pessoa auto-motivada e criativa que se lança numa aventura de negócios.Popularizado por: Madame C.J. Walker, Russell Simmons, Luther Campbell, Sean P. Diddy Combs, Suge Knight, Jack the Rapper, Robert Townsend, Boogie Down Productions, Easy E, The Black Expo, Too Short e outros.HiphopO nome da nossa consciência colectiva.Hiphop, também soletrado “Hip-hop”, “hip-hop”, e “Hiphop” é o nome da nossa consciência colectiva e representa uma estratégia da vida citadina para o auto-melhoramento.Na sua essência espiritual, o Hiphop não pode (nem deve) ser interpretado ou descrito por palavras. É um sentimento. Uma tomada de consciência. Um estado de espírito.Intelectualmente, é um comportamento alternativo que nos permite transformar pessoas e objectos na tentativa de descrever e/ou modificar o carácter e os desejos do nosso mais profundo ser.No Templo do Hiphop, o Hiphop é praticado como uma consciência característica dos subúrbios que aumenta a nossa capacidade de auto-crítica. É uma “visão”, uma forma de ver o mundo. Espiritualmente, o Hiphop é a resposta que Deus nos deu. É a forma como Deus salvou a nossa espécie. É a estratégia que Deus usou e ainda usa para salvar a nossa espécie. Enquanto acrónimo, o Templo do Hiphop ensina H.I.P.H.O.P. como significando “Her/His Infinite Power Helps Opressed People” (“o seu poder infinito ajuda os oprimidos”).A maioria dos empresários não demonstra qualquer respeito cultural pelo Hiphop e soletram “hip-hop”. Os verdadeiros Hiphoppas são aconselhados a soletrar Hiphop com “H” maiúsculo, uma vez que se trata da nossa consciência colectiva e da nossa kultura.Hiphop, soletrado “hip-hop”, significa “hip” (moda), “hop” (saltar ou dançar). Nós não somos uma “dança da moda”. No entanto, aqueles que soletram Hiphop desta forma (hip-hop) normalmente aproximam-se da nossa cultura como uma dança da moda ou um estilo de música sem qualquer interesse na sua existência enquanto kultura.Além disso, a autoridade da unidade cultural e linguística do Hiphop é estabelecida ao soletrar Hiphop como uma única palavra, “Hiphop”, a não ser que o termo “Hiphop” esteja a ser exibido como arte ou num anúncio publicitário.Aqueles que soletram Hiphop de forma errada, “hip-hop”, estão a desencorajar a unidade cultural do Hiphop e a desvalorizar a importância daquilo que o Hiphop realmente é. Estão a participar na escravização empresarial do Hiphop ao reduzirem a nossa kultura e forma de vida a um produto.Saibam que: Hiphop é o nome da nossa kultura, não é um produto para ser comprado e vendido.No entanto, “Hip-Hop” escrito com dois “H” maiúsculos é aceitável. O Templo do Hiphop reconhece esta forma e considera-a correcta porque é a forma como se pronuncia “Hiphop”, e o uso do “H” maiúsculo atribui ao Hiphop o respeito que merece.Saibam que: Hip-Hop escrito “Hiphop” não é apenas um código para os nossos escritores que participam na preservação e desenvolvimento do Hiphop, é acima de tudo uma questão de respeito!
Texto Original -
Temple Of HipHop
Tradução -
Joana Nicolau
Um obrigado especial à Joana pelo trabalho com a tradução e por nos facultar este artigo.

1 comments:

MANN.INFOSOLUTION said...

speak english in 30 days
http://englishurban.blogspot.com